FOTOGRAFIAS

AS FOTOS DOS EVENTOS PODERÃO SER APRECIADAS NO FACEBOOCK DA REVISTA.
FACEBOOK: CULTURAE.CIDADANIA.1

UMA REVISTA SEM FINS LUCRATIVOS

sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

Exposição de Tomie Ohtake



O público de Belo Horizonte tem poucos dias para aproveitar a exposição em homenagem à carreira artística de Tomie Ohtake, no ano de seu centenário de nascimento. Depois de três meses em cartaz na galeria do Centro Cultural Minas Tênis Clubea mostra termina no próximo dia 2, domingo.

Os visitantes podem conferir cerca de 50 obras entre pinturas, gravuras e esculturas, que representam a linguagem e o processo de reinvenção da artista, durante cinco décadas de produção. A curadoria é assinada pelo Instituto Tomie Ohtake. Ao longo desse período, entre o atendimento de diversos participantes, o setor educativo da galeria do Minas Tênis Clube recebeu visitas orientadas de várias instituições de ensino públicas e particulares.

Galeria do Centro Cultural Minas Tênis Clube

O espaço foi inaugurado em outubro do ano passado, com a exposição do centenário de Tomie Ohtake. Esta foi mais uma etapa na implantação do Centro Cultural Minas Tênis Clube, que já abriu ao público, em março de 2013, o Teatro Bradesco e, no final de setembro do mesmo ano, o seu Centro de Memória.

Com 412 m², a galeria, projetada por Paulo Pederneiras e Fernando Maculan, com execução do escritório MACh Arquitetura, receberá o trabalho de jovens artistas e de artistas convidados, exposições de circulação nacional e mostras histórico-documentais, além de produções do próprio Minas Tênis Clube, explorando o acervo do seu recém-inaugurado Centro de Memória. Parte da programação será definida por meio de edital público.



Encerramento: Dia 2 de fevereiro
Horários: de terça a sábado, de 10 às 20h. Domingo, de 11 às 19h
Local: Centro Cultural Minas Tênis Clube
Endereço: Rua da Bahia, 2.244 – Centro de Facilidades – Piso 5
Telefones: (31) 35161027

Exposição "O Jardim de Adelícia"





O Sesc promove neste ano a terceira edição do projeto Ação Arte Popular e Contemporânea e apresenta a exposição O Jardim de Adelícia, na Galeria de Arte GTO do Sesc PalladiumA homenageada desta vez é a mestra do bordado Adelícia Amorim, artista de Almenara, no Vale do Jequitinhonha. Na exposição, o bordado é trazido como técnica de trabalho manual para o campo da criação plástica e simbólica da arte. A proposta do projeto é realizar um diálogo da obra da artista com cinco artistas contemporâneos: Ana Luisa Santos, Janaina Mello, Julia Panadés, Rachel Leão e Rodrigo Mogiz. A visitação ocorre gratuitamente, de 7 de fevereiro a 30 de março, de terça a domingo, das 9h às 21h.

O projeto Ação Arte Popular e Contemporânea, ao propor a aproximação entre o popular e o contemporâneo, retoma a discussão sobre as fronteiras que dividem esses dois universos e as suas interseções, lançando luz sobre os diferentes contextos de manifestação da arte. Além da exposição, integram a programação do projeto: a exibição de um documentário sobre a vida e obra de Adelícia Amorim e um seminário, que pretende proporcionar um espaço teórico de discussão sobre as fronteiras entre a arte popular e a arte erudita.


A poética de Adelícia reside principalmente na capacidade de expressar com delicadeza e vitalidade uma “essência de vida” presente no contínuo ato de representação da flor, por meio da ação dilatada do bordar. Ao transpor os buquês, ramalhetes e arranjos do bordado utilitário para o quadro, a artista parece olhar por outras perspectivas, nas quais o mundo dos arranjos compositivos ora se revela em construção geométrica, gráfica, estrutural e sintética, ora é orgânico, vibrante, volumoso e não menos delicado.

O bordado, tradição expressiva nacional, é o ponto central do encontro proposto nessa exposição: vivenciar em um mesmo espaço a obra de Adelícia Amorim e dos cinco artistas contemporâneos convidados. O encontro entre eles representa um diálogo de poéticas que dizem sobre linguagens e contemporaneidade, cujos signos plásticos comuns são a linha, o bordado e a flor. Nas mãos de Adelícia, arte e vida se entrelaçam em relações afetivas, simbólicas e sociais, permitindo que todos possam reconhecer na exposição a singularidade dos seus jardins.

SOBRE A ARTISTA
Adelícia Amorim é bordadeira, nascida e criada em Pedra Grande, distrito de Almenara, Minas Gerais. Filha de pai vaqueiro e mãe costureira, aprendeu o ofício ainda menina, ao decidir que iria criar as flores que via nos jogos de cama e mesa dos senhores da fazenda onde cresceu. Autodidata, aprendeu e sofisticou sua forma de perceber e representar ao longo dos anos, criando verdadeiros jardins repletos de cores, formas e delicadezas.

PROGRAMA EDUCATIVO
 A ação educativa pensada para essa exposição tem como proposta o jogo performático na condição de metáfora do ato de bordar. O visitante é convidado a criar imagens a partir do movimento espontâneo do seu corpo numa grande trama. Tudo é pautado pelo ritmo da brincadeira, como num jogo. Após a criação coletiva desse “grande bordado”, as imagens são analisadas e discutidas de outro ponto de vista. Além do jogo, outras atividades integram a ação educativa: a criação de um jardim tendo como suporte o desenho e uma atividade sensorial a partir de cheiros, entre outras. O agendamento para as escolas deve ser feito pelo e-mail educativopalladium@sescmg.com.br.

CAFÉ@MOSTRA

O projeto Café@mostra deste mês recebe a exposição O Jardim de Adelícia. O Projeto exibe obras que oferecem uma espécie de ruptura com a linguagem audiovisual convencional – linear, narrativa, cronológica - e que se constituem enquanto videoarte, enquanto forma expressiva capaz de oferecer novos elementos visuais à imagem em movimento. Com a presença dessas obras no Café@mostra, o projeto pretende aproximar o Sesc Palladium da produção artística contemporânea, dialogando com artistas, pesquisadores e público em geral por meio de um espaço de exposição, reflexão e de estímulo à criação em novas linguagens.



Evento: Exposição O Jardim de Adelícia – Adelícia Amorim e Outros Contemporâneos
Data: de 07/02/14 a 30/03/14
Horário: de terça a domingo, das 9h às 21h
Local: Galeria de Arte GTO do Sesc Palladium (avenida Augusto de Lima, 420, Centro)
Entrada gratuita


Evento: Café@mostra  - O Jardim de Adelícia – Adelícia Amorim e Outros Contemporâneos
Data: 06/02 a 30/03
Horário: de terça a domingo, das 9h às 21h
Local: Café do Sesc Palladium (rua Rio de Janeiro, 1046, Centro)
Entrada gratuita

Evento: Documentário sobre Adelícia Amorim
Data: de 18 a 21/03/14
Horário: 19h
Local: Cine Sesc Palladium (avenida Augusto de Lima, 420, Centro)
Duração: 30 min
Classificação: livre
Entrada gratuita



Evento: 2º Seminário de Arte Popular e Contemporânea: Relações e Olhares Possíveis
Data: dia 18/03/14
Horário: das 9h às 18h
Local: Grande Teatro do Sesc Palladium (rua Rio de Janeiro, 1.046, Centro)
Inscrição gratuita pelo www.sescmg.com.br
Classificação: 12 anos

PALESTRA "Contrafação Marcária"

IAB - Instituto dos Advogados Brasileiros

PALESTRA

"Contrafação Marcária"

Dia 13/02/2014, das 17h às 19h

 Local: Plenário do IAB

FAÇA SUA INSCRIÇÃO GRATUITA!

 

Palestrantes:

Liliane do Espírito Santo Roriz de Almeida

Mestre em Direito Constitucional e Teoria do Estado pela PUC-Rio, Desembargadora Federal Aposentada, Consultora de Licks Legal

 

Rafael Atab

Mestre em Direito Internacional pela UERJ, Sócio de Dannemann Siemsen Advogados

 

Mediador:

Pedro Marcos Nunes Barbosa

Doutorando em Direito Comercial pela USP, Mestre em Direito Civil pela UERJ, Professor de Direito Civil e Propriedade Intelectual da PUC-Rio, Diretor Cultural do IAB e sócio de Denis Borges Barbosa Advogados

 

 

 

Local: Plenário do Instituto dos Advogados Brasileiros

Av. Marechal Câmara, 210 - 5º andar - Castelo -  Rio de Janeiro/RJ

 

Informações: tel: (21) 2252-4538 / 2509-4951

 

PALESTRA "Direito Internacional e Questões Aeronáuticas"

IAB - Instituto dos Advogados Brasileiros

PALESTRA

"Direito Internacional e Questões Aeronáuticas"

Dia 10/02/2014, das 16h às 18h

 Local: Centro Cultural do IAB

 

FAÇA SUA INSCRIÇÃO GRATUITA!

 

Palestrantes:

 

Luiz Eduardo de Q. Cardoso Jr.

Mestre pela UCAM, Professor de Direito da UCAM, Sócio do escritório De Lima Assafim & Advogados Associados

 
 

Luiz Dilermando de Castello Cruz

Presidente da Comissão de Direito Internacional do IAB

 
 

Mediadora: 

 

Lucy Castilho da Silva

Membro da Comissão de Direito Internacional do IAB

 

Local: Auditório do Centro Cultural do IAB

Rua Teixeira de Freitas, 05/301 - Centro -  Rio de Janeiro/RJ

 

Informações: tel: (21) 2252-4538 / 2509-4951


Mostra Nacional de Experiências em Gestão Estratégica e Participativa no SUS (II EXPOGEP)


Em sua segunda edição, a Mostra Nacional de Experiências em Gestão Estratégica e Participativa no SUS (II EXPOGEP) busca ser um grande espaço de visibilidade e discussão para novas e inovadoras práticas de gestão da saúde no país. Por acreditar na importância desse debate e na amplificação dessas experiências, a Abrasco é uma das entidades patrocinadoras e contará com diversos representantes.

Com cinco eixos temáticos, o evento será realizado de 2 a 6 de fevereiro, no Centro de Convenções Ulysses Guimarães, em Brasília. A sede da OPAS receberá o I Fórum Internacional sobre Cobertura e Sistemas Universais de Saúde como atividade pré-evento, cujo o objetivo é promover a troca de concepções e de trajetórias da construção dos sistemas de saúde de diversos países. Estarão presentes representantes de ministérios e escolas de saúde e de administração públicas de Argentina, Bolívia, Canadá, Cuba, Estados Unidos, Portugal, Reino Unido e Tailândia.
 
O professor Luis Eugenio de Souza (UFBA), presidente da Abrasco, estará na mesa de abertura e na coordenação da mesa temática sobre financiamento da saúde. Durante a II EXPOGEP, ele também está na mesa-redonda sobre governança e regionalização e no simpósio ‘Avanços, desafios e perspectivas da articulação interfederativa no novo ciclo da gestão do SUS.’

A professora Maria Fátima Sousa (UnB), vice-presidente da entidade, é outra integrante da diretoria presente nas atividades. Além de participar do fórum sobre cobertura e sistemas de saúde, ela é e uma das organizadoras de outro seminário internacional - 'A formação e remuneração dos profissionais de atenção primária em saúde'.

Representantes de Grupos Temáticos da Associação também estarão em mesas-redondas e seminários, como o GT Monitoramento e Avaliação de Programas e Políticas de Saúde, com a presença dos pesquisadores Edson Mamoru Tamaki (UFMS) e Maria Cristina Calvo (UFSC) numa das sessões do seminário de Governança e Regionalização, e do GT Informações em Saúde e População, que contará com a pesquisadora Ilara Sozzi de Moraes (ENSP/Fiocruz) na mesa-redonda do eixo e-Saúde e Informação.

Palestra PROJETO PORTO MARAVILHA E SEU ESTÁGIO ATUAL

Artigos: Estudo aponta baixa estratégia nas ações de Aids no RJ

Com o objetivo de analisar o sistema de planejamento e a gestão das ações de DST/Aids no Rio de Janeiro, a aluna Sabrine Dias Losekann elaborou sua dissertação de mestrado em Saúde Pública, sob a orientação do professor Francisco Javier Uribe Rivera. A pesquisa trouxe à tona o baixo caráter estratégico das programações municipais. As entrevistas evidenciam que não há análise de cenários e que ações são programadas desconsiderando as incertezas do contexto em que se encontram. “O momento estratégico está pouco presente na programação dos municípios. Alguns demonstraram criar, ou tentar criar, viabilidade às ações e metas, mas descolados da programação. Não há análise de viabilidade, devido a um contexto de baixa governabilidade vivenciada pelas coordenações de DST/Aids”, apontou a aluna.
 
De acordo com Sabrine, o sistema de prestação de contas foi outro problema encontrado na pesquisa. “Há prestação contas. No entanto, as coordenações não as consideram suficientes, pois avaliam que deveria haver uma maior pressão para prestação de contas do município, de forma que seja dada a devida transparência ao que é feito ou não. Assim, sentiriam-se menos sozinhas nesta batalha política para execução de uma programação”, observou.
 
Na primeira etapa do estudo, foram analisadas 27 programações anuais de metas voltadas ao enfrentamento das DST/Aids referentes ao ano de 2009. Estas programações são atribuições dos municípios qualificados na Política de Incentivo às ações de DST/Aids no âmbito do Programa Nacional de DST/Aids. Na segunda etapa, entrevistas semi-estruturadas foram realizadas em cinco coordenações municipais, com o objetivo de evidenciar aspectos do planejamento.
 
A pesquisa apontou que a programação tem um caráter mais de organização de tarefas e memória do programa que um instrumento estratégico. “Faz-se veemente a qualificação das programações de DST/Aids por meio de capacitações em planejamento, mas, principalmente, a necessidade de fortalecer estas coordenações, que demonstram orgulho de participarem desta política de enfrentamento a Aids e que precisam voltar a acreditar que podem fazer a diferença.”
 
No que se refere à estrutura dos municípios, 53,4% possuem equipe multidisciplinar ou mais de duas áreas técnicas, o que está de acordo com o preconizado pela política de Incentivo. As maiores equipes estão concentradas na região noroeste fluminense, com média de 10 profissionais por equipe, o dobro do município do Rio de Janeiro, que concentra maior número de casos.
 
Com relação ao enfrentamento da epidemia, 85% dos municípios apresentaram resposta restrita, ou seja, apresentaram três ou menos das situações a seguir: ter ação programática de caráter essencial ou abrangente; incluir, na resposta, populações prioritárias para a assistência e para a prevenção; realizar a maior proporção dos gastos em ações com alto poder de intervenção na assistência e prevenção; e possuir resposta sustentável.
 
Nas entrevistas foi possível observar que dois municípios apresentaram caráter comunicativo na elaboração de suas programações, contando com ampla participação do movimento social, ator importante no enfrentamento à Aids no Brasil. Estes dois, dos cinco entrevistados, apresentaram programações com mais de uma característica do planejamento estratégico. Mesmo assim, nenhum município apresentou todas as características (muldimensional, comunicativo, não determinístico, contexto explícito, com participação de atores sociais, com análise de cenários e alta governabilidade). 
 
Para Sabrine, a execução do plano de ações e metas é atravessada por inúmeras intercorrências. "O fato das coordenadoras responderem por inúmeras atividades do Programa, que muitas vezes não são diretamente relacionadas à gestão, levam à distração tática".

quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

Do Fado ao Jazz



Uma surpresa esta semana no Café com Letras Savassi: na quarta feira (29/01) teremos uma apresentação do conjunto "Minha Lua", original de Granada (Espanha), mas voltado para a música portuguesa. No domingo e na segunda-feira a saxofonista Maria Bragança, presentei o público de BH com duas apresentações, em trio, domingo na Savassi, e acompanhada do piano, segunda no CCBB.

Café com Letras Savassi | Rua Antônio de Albuquerque, 781 - Savassi  | (31) 3225 9973
Café com Letras Liberdade | Centro Cultural Banco do Brasil - Praça da Liberdade, 450 | (31) 84921167
Para informações sobre o Café com Letras, siga-nos em nossas redes sociais.

Mesa-redonda e Lançamento do Catálogo da Exposição Afonso Tostes

Música no Museu na Casa de Rui Barbosa

terça-feira, 28 de janeiro de 2014



O espetáculo "Celebrações Mágicas", que homenageia o Dia Internacional do Mágico, reúne no mesmo palco um seleto grupo de premiados e reconhecidos mágicos e ilusionistas do País. O público poderá presenciar de perto o show de artistas que já se apresentaram em diversas partes do mundo e que já foram premiados em diversos festivais internacionais. O espetáculo é uma mescla dos mais diversos estilos da Arte Mágica, mostrando ao público diferentes ramos do ilusionismo, desde Cartomagia, Close-up, Mentalismo, Manipulação a Grandes Ilusões.
Artistas:
Cláudio Henrique
Fernando Às
Henri Vargas
Klauss
Ortega
Clique aqui e confira outros eventos do CRModa
Formas de acesso:
Gratuito
Orientação/Pré-requisitos:
Distribuição de senha 30 minutos antes na portaria do CRModa
Público
Público Geral
Quando:
Dia 31 de janeiro, às 20h, e dia 1º de fevereiro, às 19h
Endereço:Rua da Bahia, 1149
Bairro: Centro
Telefone:
3277-4384 / 3277-9248
E-mail:
ccbh.crmoda.fmc@pbh.gov.br

BH celebra o Dia do Quadrinho Nacional com evento em Venda Nova


O 9º Dia do Quadrinho Nacional é coordenado pela Associação Cultural Nação HQ e terá oficinas de quadrinhos, exposições e apresentação musical.
O evento começa às 14h, com a oficina de roteiro “Ele morreu agora”, trabalhado com a ideia de inversão da lógica de uma história. Logo depois, às 16h, acontece a oficina “Pequenas Doses de Quadrinhos”, na qual o público poderá participar e aprender métodos de construção de uma narrativa gráfica. 
O evento também conta com a exposição “Viagem Fantástica ao Mundo do Antigamente”. A instalação apresenta 20 trabalhos que contam parte da trajetória das primeiras histórias em quadrinhos. Às 19h, acontece um encontro entre artistas e fãs de quadrinho que homenageiam Alex Soares, fotógrafo e colecionador de revistas. A cerimônia continua com a apresentação musical da banda O Monomotor, às 20h.
Ícones dos Quadrinhos
Outra mostra que marca presença no Dia do Quadrinho Nacional em BH é a exposição “Ícones dos Quadrinhos”. Inaugurada no FIQ 2013, a exposição busca resgatar aqueles personagens que, principais ou não, criaram vínculos com o seu leitor, despertando sentimentos, virtudes, tornando-se especiais por suas qualidades e defeitos característicos. 
Formas de acesso:
Gratuito
Público
Público Geral
Quando:
Dia 30 de janeiro, a partir das 14h.
Endereço:Rua José Ferreira Santos , 184
Bairro: Novo Letícia
Telefone:
3277-5533
E-mail:
ccvn.fmc@pbh.gov.br

Workshop RESIDUOS SÓLIDOS

Email marketing - temas copy

Música no Museu no CCBB

Workshop “O Complexo Industrial da Saúde no país: oportunidades e desafios"

Artigos: 'Idosos são mais afetados pelos planos de saúde'

“Os idosos apresentam mais reclamações que os demais grupos etários na Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), reforçando a ideia de que são os mais afetados pela atual configuração do setor privado de saúde e pelas restrições impostas pelas operadoras de saúde”. A suposição foi confirmada, de acordo com a pesquisa do aluno do mestrado em Saúde Pública da ENSP Wilson Marques Vieira Junior, que acredita que os resultados apresentados podem ser considerados a ponta de um iceberg, seja pela impossibilidade, por exemplo, de mapear os casos de dificuldades de adesão a planos de saúde, mas também pela análise se restringir a reclamações voluntárias.
 
O estudo também demonstra que há dificuldades para o ingresso de idosos nos planos de saúde, seja por estratégias de comercialização, como a opção preferencial das operadoras em comercializar planos de saúde empresariais, seja por constrangimentos e dificuldades impostas que condicionam o ingresso em plano de saúde à apresentação de laudos médicos e exames laboratoriais ou à realização de entrevistas qualificadas.
 
Segundo Wilson, os idosos foram o grupo populacional que, proporcionalmente, apresentou mais reclamações (60,8 versus 25,5 reclamações/10.000 beneficiários). Também foram as reclamações dos idosos aquelas que, comparativamente aos demais grupos etários, resultaram em maior percentual de autuação de operadoras (3,7% versus 2,3%). Por outro lado, acrescentou o aluno, as operadoras da modalidade de medicina de grupo foram as mais frequentemente reportadas nas reclamações em todas as faixas etárias (58,6%). O tema mais freqüente das reclamações dos idosos foi relacionado à cobertura assistencial (68,1%).
 
O objetivo do estudo foi analisar as reclamações encaminhadas à ANS por beneficiários idosos da Região Sudeste do Brasil, no período de 2010 a 2012, para avaliar se as barreiras ao acesso e ao uso dos serviços dos planos de saúde afetam de forma mais contundente a população idosa, comparativamente a adultos e crianças. Os dados utilizados foram obtidos por meio do Sistema Integrado de Fiscalização (SIF), sistema que armazena todas as informações sobre reclamações encaminhadas à ANS.
 
Para Wilson, embora tenha havido algum avanço no campo da regulação do cuidado prestado por operadoras e prestadores, ainda existem importantes lacunas em termos de legislação, intersecção entre papeis do Sistema único de Saúde e da saúde suplementar e, até mesmo, em termos da informação necessária à avaliação do acesso e qualidade do cuidado prestado no âmbito dos planos de saúde. Nesse contexto de envelhecimento populacional, transição epidemiológica e altos custos associados aos cuidados em saúde, considera o aluno, novos estudos são necessários, com abordagens e fontes de informação diferentes e complementares as que foram utilizadas.

Atualização de Procedimentos na Área de Imigração

Versão final.JPG

segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

Música no Museu no Forte de Copacabana

Atuar hospitalar – I reunião aberta

"A importância de ser perfeito" terá três apresentações no Galpão Gamboa


Comédia baseada na obra de Oscar Wilde fica em cartaz nos dias 1, 2 e 3 de Fevereiro

Com direção de Daniel Herz, a comédia "A importância de ser perfeito" é a primeira atração do mês do espetáculo da Londres vitoriana para os dias atuais no Brasil, com a adaptação da famosa comédia dde fevereiro no Galpão Gamboa. A montagem, que estreou em maio de 2013, transporta toda a ação e Oscar Wilde The importance of being Earnest. As apresentações acontecem nos dias 1, 2 e 3/02 e estão inseridas no projeto Gamboavista 3.

A peça narra a história de José Dourado, um homem que usa uma identidade dupla para poder se divertir sem comprometer sua imagem de rico herdeiro e acionista das telecomunicações. Seu melhor amigo, Agenor Nabuco, se vale disso para invadir a fazenda de José e, então, conhecer a sedutora Cecília Feijó, sobrinha de consideração do amigo. Agenor é primo de Patrícia Lobato, por quem José está apaixonado, mas Tia Augusta, mãe de Patrícia, é contra o relacionamento. Impedimentos amorosos também serão impostos à governanta Dona Glorinha e ao pastor Saulo Malaquias. Então uma trama do passado vem à tona para mudar o rumo dos personagens na história.

A montagem foi idealizada por Leandro Soares e pelo ColetivoAchadoNumaMala. Na peça, os papéis femininos são desempenhados por atores homens do coletivo e mais três atores da Companhia Atores de Laura. São eles: Leandro Castilho, Leandro Soares, George Sauma, João Pedro Zappa, Anderson Mello, Marcio Fonseca, Pedro Tomé, Samuel Toledo e Daniel Pimenta.

A opção por homens em papeis femininos foi inspirada no ensaio O epiceno inglês - The importance of being Earnest, de Wilde, da professora e ensaísta americana Camille Paglia, publicado em seu livro Personas Sexuais, de 1990. O arfevereirotigo levanta um olhar crítico sobre a androginia dos personagens e tornou-se a principal base teórica na criação do espetáculo. Essa concepção de androginia, que a direção incorporou ao trabalho, ganha forma e cor nos figurinos, nos quais elementos masculinos e femininos coexistem e se misturam. A música é tocada ao vivo pelos próprios atores, que também são músicos, em sua maioria.

Sobre Oscar Wilde:

Oscar Fingal O'Flahertie Wills Wilde nasceu em Dublin, na Irlanda, no ano de 1854, e morreu em 1900, auto-exilado em Paris, aos 46 anos de idade. Engenhoso dramaturgo e inspirado frasista, deixou poemas, romances, contos, ensaios e peças de teatro que compõem uma das principais obras literárias da língua inglesa. Entre suas obras mais conhecidas estão o romance O retrado de Dorian Gray, as novelas O fantasma de Canterville, O crime do Lord Arthur Savile, o ensaio A alma do homem sob o socialismo, o poema A balada do cárcere de Reading e o texto de introspecção De profundis. Do período de grande sucesso literário e profissional estão as peças Salomé, O leque de Lady Windermere, Um marido ideal e A importância de ser Prudente.

Sobre o Gamboavista 3:
Sucesso em 2011 e no primeiro semestre de 2013, o projeto artístico Gamboavista está de volta ao Galpão Gamboa para reapresentar importantes espetáculos que já passaram pelos palcos do país. Nessa terceira edição, que teve início em outubro e segue até março, o projeto abre espaço também para programação infantil e para companhias de outros estados. A curadoria é de Cesar Augusto.

Sobre o Galpão Gamboa:
O Galpão é um espaço para a experiência da liberdade cultural, das trocas afetivas que a convivência social proporciona. O projeto reúne cultura, esporte e saúde atestando seu compromisso com o bem-viver e a responsabilidade social, oferecendo aos frequentadores o que lhes é de direito e preciso para se tornarem cidadãos.

O Teatro do Galpão Gamboa foi inaugurado em agosto de 2010, com o espetáculo "Pterodátilos", de Nick Silver, com direção e adaptação de Felipe Hirsch e Marco Nanini e Mariana Lima no elenco. Com a primeira e segunda edição do Gamboavista e os projetos Rota Gamboa e Dança Gamboa, o espaço já recebeu mais de 60 montagens, entre teatro adulto e infantil. 



Ficha técnica:
Texto: Oscar Wilde
Tradução e adaptação: Leandro Soares
Direção: Daniel Herz
Assistência de direção: Maria Eduarda Machado
Elenco: Leandro Castilho, Leandro Soares, George Sauma, João Pedro Zappa, Anderson Mello, Marcio Fonseca, Pedro Tomé, Samuel Toledo e Daniel Pimenta
Figurinos: Thanara Schonardie
Cenário: Nello Marrese
Iluminação: Aurélio de Simoni
Música original e direção musical: Leandro Castilho
Idealização: ColetivoAchadoNumaMala


Serviço:
Datas: 1, 2 e 3/02
Horário: Sábado, às 21h; domingo e segunda, às 20h
Local: Galpão Gamboa - Teatro
Capacidade: 80 pessoas
Endereço: Rua da Gamboa, 279 - Centro - RJ
Telefone: (21) 2516-5929
Classificação: 14 anos
Duração: 100 minutos
Gênero: comédia
Ingressos: R$ 20 (inteira) R$ 10 (meia) /R$ 5 (para moradores dos bairros da Zona Portuária, apresentando comprovante de residência)
Venda de Ingressos:
- Na bilheteria do Galpão: Terça a quinta: das 14h às 19h (nos dias de espetáculo a bilheteria funciona das 14h até a abertura da sala ou até se esgotarem os ingressos)

Circo Crescer e Viver oferece "Residência de Criação e Montagem"

Capacitação gratuita é voltada para jovens artistas de circo, dança e teatro

Estão abertas até o dia 7 de fevereiro as inscrições para a "Residência de Criação e Montagem", promovida pelo Circo Crescer e Viver e direcionada a artistas de circo, dança e teatro. Com patrocínio da Prefeitura do Rio de Janeiro, o projeto tem como proposta abrigar 20 artistas e grupos selecionados para oferecer qualificação técnica e estética. A inscrição é gratuita e as informações estão no site http://crescereviver.org.br/residencia/. O resultado da seleção será divulgado no dia 13 de fevereiro.

A ideia é beneficiar grupos e artistas em início de carreira, além daqueles que enfrentam dificuldades no acesso a espaços físicos adequados para a realização de suas montagens. As residências estão divididas em capacitação em técnicas e habilidades circenses, modelagem de espetáculo, criação de números e performances circenses e ensaios e montagem de espetáculo.

Serão seis meses de trabalho intenso na sede da ONG, na Praça Onze. O Circo Crescer e Viver irá disponibilizar toda a estrutura física e humana necessária para o desenvolvimento dos selecionados. Para mostrar o resultado do trabalho, no fim do período da residência, serão montados três espetáculos abertos ao público. Para Vinícius Daumas, coordenador artístico do Circo Crescer e Viver, a pertinência da iniciativa já se justificaria pelo fato de se investir recursos materiais, humanos e financeiros na produção de três espetáculos inéditos pautados por uma estética contemporânea que visa fortalecer e qualificar a presença das artes circenses no cenário da produção carioca".

De acordo com Junior Perim, coordenador executivo do projeto, a iniciativa é inovadora, já que "no Rio de Janeiro não existe uma residência com foco tão específico no circo".

Sobre as residências

Residência de capacitação em técnicas e habilidades circenses
Voltada a artistas de circo, teatro e dança interessados em desenvolver, qualificar e ampliar suas habilidades em acrobacia de solo, acrobacia aérea, equilibrismo e manipulação de objetos. Os artistas e grupos residentes selecionados serão integrados às atividades formativas empreendidas pelo Circo Crescer e Viver e terão treinamentos específicos orientados ao seu projeto de pesquisa/criação.

Residência de modelagem de espetáculo
Concentra-se nas áreas de concepção e dramaturgia do espetáculo; direção cênica; direção de arte com produção de figurino, cenário, adereços e elementos de cena; composição coreográfica; direção musical com criação de trilha sonora original; light design; capacitação em gestão; e projeto de identidade visual e comunicação. Destina-se a grupos e companhias circenses visando à qualificação da produção criativa e seu diálogo com o mercado da cultura, lazer e entretenimento.

Residência de criação de número e performance circense
Atividades voltadas à pesquisa e experimentação das novas relações entre o artista de circo e seu aparato técnico vislumbrando a criação de novos números e performances.

Residência de ensaios e montagem de espetáculo
Disponibiliza as dependências e infraestrutura do Circo Crescer e Viver para artistas e/ou grupos de circo, teatro ou dança, realizarem treinamentos e ensaios com foco na montagem dos seus espetáculos.

Sobre o Circo Crescer e Viver:
O Circo Crescer e Viver é uma organização sem fins lucrativos que combina a cultura e as artes circenses para impactar crianças, adolescentes e jovens na formação de uma nova geração de indivíduos críticos e criativos, capazes e dispostos a empreender e superar mudanças em suas vidas e nas vidas de suas comunidades locais. Contribuir para o desenvolvimento social e humano, utilizando a cultura e as artes circenses como elemento central é a missão da ONG. 

domingo, 26 de janeiro de 2014

Artigos: Interdisciplinaridade, Educação e Prática Pedagógica

O surgimento da interdisciplinaridade  pode ser atribuído a três aspectos: um retorno aos modos deconhecimento da Antiguidade; uma reação à especialização excessiva e a um avanço do ser humano em relação ao conhecimento.
Há diferentes modos de compreender e definir a interdisciplinaridade, a educação e a prática pedagógica. A proposta pedagógica interdisciplinar é contra definições e métodos pré estabelecidos. Já a educação que vivenciamos nos espaços educacionais formais está calcada em moldes Iluministas e Modernos.
As práticas disciplinares surgem com a modernidade, condicionando e sendo condicionadas por este período histórico-social. A disciplina se constitui na fragmentação e quantificação dos saberes, tem como função o controle, a eficiê.ncia e a sistematização dos saberes e como forma de organização a hierarquização dos mesmos, sendo as disciplinas as bases constituintes da Educação Moderna, atuando nos conteúdos e para além deles.
Assim, podemos inferir que a disciplinaridade enquanto prática pedagógica  atua no interior da sala de aula, mas também e principalmente para além dela, na própria organização do espaço educacional. E se tais práticas ensinam múltiplos modos de comportamento e de conhecimento do mundo, elas são, então, práticas pedagógicas.
Desta forma, distintas correntes educacionais modernas possuem diferentes práticas disciplinares, que atendem as especificidades de cada perspectiva educacional.
No Brasil, alguns autores são proeminentes acerca de estudos, pesquisas e reflexões sobre saberes interdisciplinares, como Ivani Fazenda, Hilton Japiassu, José Carlos Libâneo, Maria Freitas de Mello, Américo Sommerman, entre outros.
Estes autores corroboram com discussões acerca do pensamento interdisciplinar e educação.
Para uma compreensão mais clara a cerca da noção de disciplina  é fundamental que se possa entendero desenvolvimento das ciências, do pensamento humano. É uma categoria organizada dentro das diversas áreas do conhecimento que as ciências abrangem.
O termo interdisciplinaridade parte da noção de disciplina. A disciplina é uma maneira de organizar, de delimitar, ela representa um conjunto de estratégias organizacionais, uma seleção de conhecimentos que são ordenados para apresentar ao aluno, com o apoio de um conjunto de procedimentos didáticos e metodológicos para seu ensino e de avaliação da aprendizagem.
Para Portilho e Almeida, “a pesquisa escolar é um relevante instrumento metodológico de ensino e aprendizagem, sendo que, através dela é possível desenvolver ações que levem à interdisciplinaridade, palavra de ordem no atual contexto educacional. Sua utilização induz ao desenvolvimento de competências e habilidades indispensáveis à formação do educando. Sua prática permite que o aluno aprenda ao transformar informação em conhecimento.”
Portanto, a interdisciplinaridade tem a pretensão de conhecer determinados fenômenos horizontalmente e verticalmente, buscando integrar a parte e o todo. Em vez do saber quantitativo, busca-se o qualitativo

Música no Museu no Clube Hebráica

sábado, 25 de janeiro de 2014

Pesquisa indica polarização na reciclagem de produtos

"A falta dos serviços de beneficiamento industrial e de transformadores de plástico nas regiões Nordeste, Centro-Oeste e Norte gera a necessidade de transporte rodoviário dos materiais recicláveis ao Sudeste do Brasil, fazendo com que os custos muitas vezes tornem a cadeia da reciclagem inviável". 

A observação é da aluna de mestrado profissional em Saúde Pública da ENSP, Liége Castelani. Os resultados da dissertação Análise da cadeia de reciclagem do plástico e suas potencialidades no Brasil, orientada pela professora. Débora Cynamon Kligerman, demonstraram que há forte polarização dos serviços da reciclagem no Sudeste e Sul do Brasil e fraco desenvolvimento destes serviços necessários à cadeia da reciclagem nas outras regiões. 

Além disso, a aluna destacou que apesar dos avanços na legislação, ainda há precariedade na coleta, seleção, tratamento e destinação final de resíduos na maior parte dos municípios do Brasil.

sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

Artigos: Identidade

A identidade pode ser definida como sendo um conjunto de caracteres próprios e exclusivos de uma determinada pessoa. Este conceito, entretanto, está ligado às atividades da pessoa, à sua história  de vida, ao futuro, sonhos, fantasias, características de personalidade e outras características relativas aoindivíduo. A identidade permite que o indivíduo se perceba como sujeito único, tomando posse da sua realidade individual e, portanto, consciência de si mesmo. Este conceito sempre tem preocupado o homem, desde os gregos antigos. A identidade não é só o que a pessoa aparenta, ela agrupa várias idéias como a noção de permanência, de pontos que não mudam com o tempo. 
Algumas destas características imutáveis são o nome da pessoa, parentescos, nacionalidade, impressão digital e outras coisas que permitem a distinção de uma unidade. A identidade depende da diferenciação que fazemos entre o “eu” e o “outro”. Passamos a ser alguém quando descobrimos o outro porque, desta forma, adquirimos termos de comparação que permitem o destaque das características próprias de cada um. As diversas abordagens têm opiniões diferentes a respeito da possibilidade de mudança da identidade ao longo da vida de uma pessoa. Para a psicanálise, o sujeito só pode se definir a partir de sua relação com os pais. O sujeito é produto da relação de amor e identificação com os pais. A criança disputa o amor de um dos pais, buscando identificação com o modelo que o outro representa.
Segundo esta abordagem, o sujeito introjeta as identificações infantis e, através delas, vai formando sua identidade, diferenciando-se dos outros e possibilitando que a sociedade possa reconhecê-lo como alguém. Outra importante concepção de identidade é a psicossocial, descrita por Antonio da Costa Ciampa. Nesta linha, a identidade tem o caráter de metamorfose, ou seja, as mudanças ocorrem constantemente, o que, entretanto, não aparece. A aparência da identidade é de algo que não muda. A identidade, para a psicossocial, pressupõe a realidade social na qual o indivíduo está inserido. Revela uma condição de vida, estrutura familiar, religião e costumes da pessoa. No entanto, sabemos quem é a pessoa, não apenas por sua definição, mas por suas atividades. Esta é a principal construção da identidade. Um ponto importante a ser considerado é que fazemos parte de diversas organizações e, portanto, nossa ação é fragmentada. Somos o que fazemos naquele momento, em cada papel que desempenhamos, o de aluno, filho, amigo, irmão, e uma coisa não inclui necessariamente a outra. Cada atividade toma forma a partir de um personagem, que temos nas diversas situações de nossas vidas. Identidade é, para a psicossocial, movimento constante.

Artigos: A Descoberta da Aspirina

Em 1763, Edmund Stone deu o primeiro passo em direção à descoberta da aspirina, um dos medicamentos mais utilizados atualmente. Ele notou que a casca do salgueiro propiciava um tratamento efetivo para paciente que sofriam de um determinado tipo de febre. Para Stone, a explicação para o efeito da casca do salgueiro era muito simples. Segundo ele “o remédio de muitos males naturais estão sempre situados próximos às suas causas”. De fato, o salgueiro cresce nas mesmas regiões onde se pode adquirir a febre que pode ser tratada com sua casca.
Cinqüenta anos se passaram até que o ingrediente ativo da casca do salgueiro fosse isolado e denominado salicina, nome que deriva da palavra latina salix, que quer dizer “salgueiro”. Mais cinqüenta anos decorreram até que uma síntese industrial desse composto fosse possível. Nessa época, o composto já era conhecido como ácido salicílico, uma vez que suas soluções aquosas saturadas são muito ácidas (pH = 2,4).
No final do século XIX, o ácido salicílico era muito usado para tratar febre reumática, gota e artrite. Muitos pacientes tratados com essa droga se queixavam da irritação estomacal crônica causada pela acidez das elevadas doses (6 g a 8 g por dia) necessárias para aliviar os sintomas dessas doenças.
Como seu pai era um desses pacientes, o químico Felix Hoffmann pesquisou um derivado do ácido salicílico que fosse menos ácido. Em 1898, Hoffmann relatou que o ácido acetilsalicílico era mais efetivo e, ao mesmo tempo, mais bem tolerado pelo organismo. Ele denominou esse composto de aspirina, utilizando o prefixo a, do nome acetil, e spirin, da palavra alemã empregada para o composto original obtido do salgueiro, spirsäure.
A existência de uma droga que tanto reduz a dor quanto a febre iniciou a busca por outros compostos que pudessem ter o mesmo resultado da aspirina. Embora fosse baseada na tentativa e erro, essa pesquisa produziu uma variedade de substâncias comercializadas atualmente como analgésicos, antipiréticos e agentes antiinflamatórios. Analgésicos aliviam a dor sem reduzir a consciência, antipiréticos reduzem a temperatura corporal quando está elevada e agentes antiinflamatórios combatem inchaços ou inflamação das juntas, da pele e dos olhos.

Artigos: Para entender a Literatura 1


Contos
Desde sempre o homem vem sido seduzido pelas narrativas, sejam elas de ordem simbólica ou realista, que diretamente ou indiretamente falam da vida, relacionando-as com deuses ou com os próprios homens. 
Duas dessas narrativas destacam-se, pois conseguiram grandes divulgações e atravessaram séculos, são os Contos de Fadas e os Contos Maravilhosos. É importante diferenciá-las, pois ambas nasceram de fontes diferentes e tem enfoques distintos.
  • O Conto de fadas expressa uma atitude humana que refere-se a luta do eu, ou seja, a nível do existencial, onde tudo gira em torno do casamento homem x mulher.
  • Por sua vez os Contos maravilhosos tratam das realizações no plano material, profissional, de realizações externas, ao nível social.
Vale lembrar que uma não anula a outra, as duas se completam em uma realização integral.
Também chamados de Contos da Carochinha, os Contos de fadas surgiram no Brasil e em Portugal no final do século XIX, e nem sempre tem a real presença de fadas como diz o nome. São desenvolvidos dentro da magia feérica (reis, rainhas, príncipes, bruxas, gigantes anões, animais, objetos mágicos, tempo e espaço fora da realidade conhecida etc.). Tem como eixo gerador uma problemática existencial, a realização do herói ou da heroína alcançando seus objetivos, essa realização intimamente ligada à união homem mulher.
A estrutura básica de um conto de fadas é uma narrativa curta, dotada de tempo, espaço,clímax, enredo e o número reduzido de personagens.
Na literatura infantil a linguagem deve ser usada como instrumento de criação, revelação e direção. Dizemos linguagem para nos referir não só a forma com que ela se apresenta, mas também para a intenção total da obra, seus arranjos e seus objetivos .
No conto Dona Baratinha percebemos que o seu léxico é adequado à literatura infantil, não contendo rebuscamento de termos ou emprego de palavras grosseiras, possuindo clareza e simplicidade de estilo.

A linguagem do conto é repleta de onomatopéias e diálogos, o que desperta o interesse das crianças. Veja algumas falas abaixo:
"–Gato! Como é que fazes de noite ?"
"- Faço miau! miau !"
"-Cachorro ! Como é a tua fala a noite ?"
"-Uau ! Uau !"
Outro aspecto que não deve ser ignorado é que o conto Dona Baratinha não possui gírias, o que o torna ainda mais fácil de ser compreendido e lhe garante ser atual. Como a maioria dos contos sempre se volta para palavras mágicas ou mesmo frases que se repetem ao longo do texto, Dona baratinha não poderia ser diferente, durante toda a história notamos a forte presença da pergunta que a protagonista faz a todo candidato a noivo:
"-Queres casar comigo ?" (o que funcionaria como um "abre-te sésamo", ou "Rapunzel jogue as tranças").
Outro tipo de linguagem contida na fábula é a das ilustrações, uma linguagem não verbal, mas tão expressiva quanto.
No início da história percebe-se um cenário todo colorido, arborizado e com casinhas, mostrando um local calmo, tranquilo e pacato, nota-se também que essas ilustrações não são tecnicamente perfeitas, pois são desproporcionais ao tamanho da protagonista, além disso os traços das figuras se assemelham aos desenhos feitos por crianças. Essas características servem como recursos para atrair o pequeno leitor, entrando assim no seu vasto mundo imaginário. Ao longo da fábula nota-se que as cores que antes eram claras, passam a ficar mais fortes e mais escuras, preparando o leitor para algum acontecimento importante, esse acontecimento chama-se clímax, na verdade essas cores que se tornam fortes funcionam como um " Parananam!!!!!!!! " dos filmes e novelas .

Pode-se dividir um conto de fadas em partes:

Enredo: É o conjunto de fatos que se subdivide em:
  • Introdução: Coincide geralmente com o começo da história onde são apresentados os fatos iniciais e os personagens. Enfim é à parte em que se situa o leitor diante do que irá ler.
  • Complicação: É a parte do enredo na qual se desenvolve o conflito.
  • Clímax: Como já foi citado assim é o momento culminante da história. Ele é o ponto de referência para as outras partes do enredo, que existem em função dele.
  • Desfecho: É a solução dos conflitos, boa ou má, com final feliz ou não.
Tempo: Constitui o pano de fundo para o enredo. A época da história nem sempre coincide com o tempo real em que foi publicada ou escrita. Os contos de um modo geral apresentam uma duração curta em relação aos romances. Algumas narrativas dão dicas da época que estão retratando através de frases do tipo: "Era no tempo dos reis" ou "No tempo em que os bichos falavam".
Espaço: É o lugar onde se passa a ação de uma narrativa. O termo espaço só dá conta do lugar físico onde ocorrem os fatos da história.
Ambiente: É o espaço carregado de características socioeconômicas, morais, psicológicas, em que vivem os personagens.
Narrador: É o elemento estruturador da história, pode estar em terceira pessoa, que se divide em onisciente e onipresente. O primeiro sabe tudo da história e o segundo está presente em todos os lugares da narrativa. Outro tipo de narrador é o de primeira pessoa, o qual participa diretamente do enredo como personagem.


Mini-conto

É uma narrativa muito curta que pode abordar qualquer tipo de tema. Sua estrutura básica é formada pelos seguintes componentes:
  • Personagens
  • Narrador
  • Espaço
  • Tempo
  • Símbolos
Um exemplo deste tipo se dará a seguir:
A narrativa Proustiano nos conta as peripécias de um adolescente que ao espiar uma biblioteca sente-se atraído por ela e desapercebidamente a penetra.
Em uma hora morta do dia em que as mulheres estão atarefadas demais para notá-lo, e os homens descansando, o menino que era proibido pelo tio de visitar a biblioteca não resiste a curiosidade e começa a espiá-la e quando se dá conta já está lá dentro. Embora ali só houvesse livros para adultos o menino aleatoriamente escolhe um e começa a ler. A medida que ia lendo era tomado por uma sensação de bem estar avassaladora e inesplicável, foi quando lembrou que quando bem pequeno ele sentia esta mesma sensação, quando salvava mariposas de serem seduzidas pelo reflexo da água.
Temos aqui um narrador em terceira pessoa, que não participa da história mas que sabe exatamente o que se passa na cabeça de seu personagem.
Ao analizarmos o mini-conto percebemos que ele possui um reduzido número de personagens que aparecem sob a forma de pessoas. Temos o protagonista que é entitulado pelo narrador como "menino". Temos os personagens secundários que pode-se dizer que são as outras crianças que moravam na casa e também o tio, que queria mantê-las longe de sua sedutora biblioteca .
Ao falar da narrativa, pode-se notar que no início do mini-conto é apresentado o conflito, e que todos os acontecimentos presentes no texto irão girar em torno deste conflito. a proibição da entrada na tentadora biblioteca, e o doce sabor de ao nela penetrar e se deliciar com o sabor da leitura.
Em relação ao espaço em que se passa a narrativa, nota-se que ela não se divide, tudo começa dentro da biblioteca e lá se desenvolvem todos os outros acontecimentos  Embora nosso protagonista se lembre de alguns fatos que aconteceram há alguns anos, isso não interfere no espaço em que se desenvolve a história.
É proposto ainda a utilização de alguns símbolos na narrativa. Temos a biblioteca que remete a idéia de sabedoria e conhecimento, encontrados nos livros. temos também a tentativa adotada pelo menino de salvar mariposas, transparecendo assim na esfera simbólica toda a pureza, inocência e fantasticidade de uma criança.
Temos embutida na narrativa a questão da verossimilhança, que é a lógica interna do enredo, tornando-o ou não verdadeiro para o leitor. Os fatos contidos em um mini-conto não precisam ser verdadeiros, no sentido de corresponderem exatamente a fatos ocorridos no universo exterior ao texto, mas devem ser verossímeis, isto quer dizer que mesmo sendo inventados, o leitor deve acreditar no que lê. Esta credibilidade advém da organização lógica dos fatos dos fatos dentro do enredo.
Enfim, são esses os aspecto que devem ser ressaltados, a fim de se compreender e explorar um mini-conto dentro de suas possibilidades.