FOTOGRAFIAS

AS FOTOS DOS EVENTOS PODERÃO SER APRECIADAS NO FACEBOOCK DA REVISTA.
FACEBOOK: CULTURAE.CIDADANIA.1

UMA REVISTA SEM FINS LUCRATIVOS

sábado, 30 de junho de 2012

Congresso Internacional de Educação no Brasil



Missão: realizar uma grande troca de conhecimentos entre os educadores, promovendo a capacitação e a qualificação profissional dos envolvidos, além do intercâmbio internacional de culturas.
Visão: ser referência como o maior congresso de educação na América Latina, contribuindo diretamente no processo de desenvolvimento da educação no Brasil.
Valores: educação, ética, comprometimento, qualidade, competência e sustentabilidade.
Justificativa: O CIDEB 2012 visa promover o desenvolvimento interpessoal e profissional em todas as áreas, fundamentados nos mais elevados padrões éticos e de qualidade, objetivando sempre a satisfação através de propostas que atendam às necessidades de trabalho, dos novos rumos e eixos científicos, tecnológicos, econômicos, humanos, sociais e culturais da coletividade; e não simplesmente responder a desejos específicos. Além das características que conferem a esse evento um valor acadêmico, no âmbito total da capacitação, a aproximação de inúmeras e variadas instituições, compromissadas com as políticas públicas da educação, atendem a uma exigência natural da nossa sociedade, reunindo pesquisadores, professores e estudantes em torno da qualificação dos educadores e a fundamentação da importância da tecnologia educacional.
Objetivos gerais: Contribuir para a constante melhoria da educação; promover o desenvolvimento humano em todas as dimensões do conhecimento pela educação continuada no Brasil; capacitar professores e educadores, além da promover troca de conhecimentos em áreas multidisciplinares; reunir os maiores especialistas em educação, promovendo um debate em torno de temas polêmicos que fazem parte do cotidiano nas instituições de ensino; integrar as escolas das redes públicas, privadas e demais instituições, com a busca continuada de novas soluções para a educação, transformação e motivação dos docentes, para que no decorrer de sua vida profissional, seja vinculado a uma educação de qualidade, estímulo, melhores condições de trabalho e comprometimento com a inclusão social.
Objetivos específicos: Aplicar de forma prática todos os temas abordados no congresso; abordar o tema educação e tecnologia em todos os seus âmbitos; discutir políticas públicas e práticas educativas na contemporaneidade; divulgar pesquisas realizadas no país, nas referidas áreas do conhecimento; capacitar e qualificar todos os profissionais de educação envolvidos no congresso.

O formato do Congresso Internacional de Educação no Brasil 2012 é focado no melhor aproveitamento do evento por todos os seus participantes, através da realização de todas as atividades educacionais do congresso em único espaço.
A sede do CIDEB é o Centro Cultural e de Eventos do Descobrimento que localiza-se na BR–367, a 10 Km de Porto Seguro. Com o pavilhão de convenções tem uma área total de 5.400 m² com uma área interna de 2.153 m², comporta até 5.000 pessoas em formato de auditório. O empreendimento tem uma área total construída de 19.370 m², implantada em terreno de 232.000 m², à margem da rodovia. 
De forma triangular, o terreno constitui-se de um platô na cota de 65 metros acima do vale do rio Buranhém, de onde se descortina uma visão panorâmica sobre o vale. Possui grandes áreas gramadas e uma concentração de árvores de grande porte com vegetação tropical.

XVII Prêmio Rio Moda Hype




.Estão abertas as inscrições para a 17ª edição do Prêmio Rio Moda Hype, plataforma para o lançamento de novos talentos no setor de moda. Até 20 de agosto, jovens estilistas podem participar da seleção pelo sitewww.premioriomodahype.com.br 


 Com mais de 4,2 mil inscrições ao longo de sua trajetória, o PRMH já premiou mais de 100 estilistas da nova geração. Entre os destaques estão R. Groove (RJ), atualmente no line-up do Fashion Rio; Fernanda Yamamoto (SP) e Vitorino Campos (BA), ambos no line-up do São Paulo Fashion Week; Akihito Hira (DF) participou da Semana de Moda da Colombia 2011 e Soddi (BA), na Semana de Moda de Vancover - Canadá 2012.



Patrocinado pelo Sebrae-RJ, o PRMH foi idealizado em 2004 pelos empresários Robert Guimarães e Fernando Molinari, que há 16 anos descobrem e apresentam ao mercado jovens talentos do setor. Um dos trunfos do Prêmio é garantir o acesso desses estilistas promissores ao line up dos mais concorridos eventos do calendário oficial da moda brasileira, o Fashion Rio. No currículo da dupla está ainda a Babilônia Feira Hype, evento de moda e entretenimento itinerante, responsável por revelar ao grande público mais de quatro mil marcas, como Farm, Espaço Fashion, Via Mia, Foxton e Alessa.



 “Nosso intuito é descobrir e fomentar novos talentos. Trabalhamos como headhunters no mundo da moda, identificando e potencializando jovens talentos de todas as regiões do país, que tenham além do talento criativo, capacidade para gerir uma carreira”, afirma Molinari, do Inbracultmode - Instituto Brasileiro de Cultura Moda e Design.



Porta de entrada para o acirrado mercado da moda no país, alguns estilistas revelados pelo PRMH mostraram o seu talento e hoje são contratados de grandes marcas ou revendem suas marcas próprias no Brasil e no exterior. Entre eles: Julia Valle(MG), na Mara Mac; Amanda Mujica - Soul Seventy (RJ) na Salinas; André Lucian (RJ), A.Brand; Lucas Magalhaes (MG), na Coven; Renata Veras (RJ), na Espaço Fashion; Felipe Eiras (RJ), na Novamente; Renato Garcia Nunes – Cordel Regional, na Armadillo; Fernando Porto - Carpe Diem (RJ), na Richards; e Despi com sua marca própria vende suas criações para vários países da Europa e Estados Unidos, além de ter suas peças expostas na Victoria´s Secret.





Segundo Robert Guimarães, o PRMH oferece subsídios aos jovens empreendedores para conduzirem suas carreiras de forma sustentável: “Trabalhamos a trajetória de cada um, de forma a potencializar ao máximo a experiência adquirida durante o processo seletivo e participação no Prêmio. A ideia é que com esse aprendizado, os jovens conquistem o seu espaço no mercado”.



Para participar da 17ª. edição do PRMH, os interessados devem se inscrever no site oficial do evento: www.premioriomodahype.com.br É necessário apresentar o seu talento em 20 croquis (desenho da coleção a ser exibida) e duas peças finalizadas. Uma comissão julgadora formada por jornalistas, estilistas e outros profissionais ligados ao mercado da moda indicará os selecionados. Os resultados serão divulgados no site do Prêmio. Não há restrições quanto à participação de candidatos já revelados pelo evento.

Exposição "Pulso Iraniano"


Gohar Dashti
Entre 30 de junho a 26 de agosto, a Galeria de Artes Visuais do Oi Futuro será palco da exposição Pulso Iraniano, em que poderão ser vistos fotografias e vídeos inéditos de importantes artistas contemporâneos do Irã. A visitação gratuita é de terça a sábado, das 11h às 21h e domingo das 11h às 19h.
O curador e diretor artístico do projeto, Marc Pottier, pretende mostrar a força da nova criação iraniana desenvolvida tanto no próprio país como em outros países, para onde alguns artistas migraram. Em um caso ou no outro, são artistas que perpetuam uma tradição milenar de criação artística.
Os artistas que estarão na exposição são Morteza Ahmadvand, Shirin Aliabadi, Gohar Dashti, Arash Hanaei, Siamak Filizadeh, Shadi Ghadirian, Amirali Ghasemi, Ghazel, Peyman Hooshmandzadeh, Bahman Jalali, Rana Javadi, Abbas Kiarostami, Bahman Kiarostami, Nava Zadoc, Shirin Neshat, Jalal Sepehr, Mitra Tabrizian, Jinoos Taghizadeh, NewshaTavakolian e Sadegh Tirafkan. Na mostra haverá, ainda, obras de artistas emergentes, sendo 26 videoartistas e 30 fotógrafos.
Concebida especialmente para a montagem em Belo Horizonte, uma instalação com trabalhos do artista Arash Hanaei disposta no corredor vermelho que dá acesso à Galeria de Artes Visuais irá conduzir os visitantes para esta imersão na arte contemporânea do Irã. São desenhos digitais da série “Capital”, onde Arash Hanaei oferece sua visão dos muros, ruas e fachadas de Teerã. Neles convivem textos e slogans publicitários com desenhos de heróis, mártires, cenas da Revolução de 1979 e da guerra Irã-Iraque (1980).
A exposição é dividida entre os temas “A Guerra”, “As Tradições”, “A Mulher”, “A Poesia”, e “O Espírito de Celebração”. Assim, a cultuada artista Shadi Ghadirian vem promovendo o trabalho de jovens fotógrafos em seu site Fanoosphoto, e vai mostrar uma seleção deles.
Amirali Ghasemi, artista que vive em Teerã e que exibe a jovem produção do país em sua própria garagem [www.parkingallery.com e www.biennaltehran.com] apresentará uma seleção de vídeos.
Bahman Jalali, um dos mais importantes fotógrafos do país, falecido em janeiro de 2010, será homenageado com 20 fotos e duas séries de slideshows, em seleção de sua viúva, a artista Rana Javadi.
A poetisa Sanam Emami é a curadora do módulo “ A Poesia”, em que traduções das obras dos principais poetas do país estarão disponíveis para consulta.
Abertura: 29 de junho de 2012, às 19h30
30 de junho a 26 de agosto de 2012
De terça a sábado, das 11h às 21h. Domingo das 11h às 19h.
Local: Galeria de Artes Visuais do Oi Futuro
Av. Afonso Pena, 4001 – Mangabeiras
Informações: (31) 3229 3131
Entrada free
Classificação etária: 12 anos
www.oifuturo.org.br

XV Edição do Projeto Respiração. "O Que Não Tem fim Nem Começo"

Mostra "Estranhos Prazeres"


Lua de Fel, Roman Polanski
O Cine Humberto Mauro, no Palácio das Artes, recebe entre os dias 2 e 9 de julho, a mostra ‘Estranhos Prazeres’, com a exibição de nove filmes que transitam pelo universo da sensualidade, do desejo e do crime. A entrada é free, mediante retirada de senhas na bilheteria do cinema meia hora antes do início.
Dentre os longas apresentados na mostra, estarão títulos de cinco grandes nomes do cinema mundial: David Cronenberg, David Lynch, Brian de Palma, Roman Polanski e Pedro Almodóvar. Abrindo a programação, na segunda-feira, dia 2, às 17h, será exibido ‘Crash – Estranhos Prazeres’, de Cronenberg (longa que dá nome à mostra); seguido de ‘Veludo Azul’, de Lynch, com sessão às 21h.
De diferentes maneiras, as obras selecionadas oferecem ao espectador visões agudas da condição humana, concentrando-se em importantes filmes das décadas de 70 (‘Trágica Obsessão’); 80 (‘Veludo Azul’, ‘Matador’, ‘Dublê de Corpo’, ‘Vestida Para Matar’ e ‘Videodrome – A Síndrome do Vídeo’) e 90 (‘Crash – Estranhos Prazeres’, ‘Twin Peaks: Os Últimos Dias de Laura Palmer’ e ‘Lua de Fel’).
02 de julho/segunda-feira
17h Crash – Estranhos Prazeres, de David Cronenberg (1996) | (18 anos) | 100′
21h Veludo Azul, de David Lynch (1986) | (16 anos) | 120′
03 de julho/ terça-feira
17h Matador, de Pedro Almodóvar (1986) | (18 anos) | 110′
19h Dublê de Corpo, de Brian De Palma (1984) | (16 anos) | 114′
21h Twin Peaks: Os Últimos Dias de Laura Palmer, de David Lynch (1992) | (14 anos) | 135′
04 de julho/quarta-feira
17h Vestida Para Matar, de Brian De Palma (1980) | (14 anos) | 105′
19h Lua de Fel, de Roman Polanski (1992) | (18 anos) | 139′
21h30 Videodrome – A Síndrome do Video, de David Cronenberg (1983) | (18 anos) | 87′
05 de julho/quinta-feira
19h45 Trágica Obsessão, de Brian De Palma (1976) | (12 anos) | 100´
21h30 Crash – Estranhos Prazeres, de David Cronenberg (1996) | (18 anos) | 100′
06 de julho/sexta-feira
17h Os Últimos Dias de Laura Palmer, de David Lynch (1992) | (14 anos) | 135′
19h30 Videodrome – A Síndrome do Vídeo, de David Cronenberg (1983) | (18 anos) | 87′
21h Lua de Fel, de Roman Polanski (1992) | (18 anos) | 139′
07 de julho/ sábado
16h Veludo Azul, de David Lynch (1986) | (16 anos) | 120′
18h Trágica Obsessão, de Brian De Palma (1976) | (12 anos) | 100´
20h Matador, de Pedro Almodóvar (1986) | (18 anos) | 110′
08 de julho/ domingo
16h Vestida Para Matar, de Brian De Palma (1980) | (14 anos) | 105′
18h Crash – Estranhos Prazeres, de David Cronenberg (1996) | (18 anos) | 100′
20h Twin Peaks: Os Últimos Dias de Laura Palmer, de David Lynch (1992) | (14 anos) | 135′
09 de julho/segunda-feira
17h Dublê de Corpo, de Brian De Palma (1984) | (16 anos) | 114′
21h Videodrome – A Síndrome do Video, de David Cronenberg (1983) | (18 anos) | 87′
2 a 9 de julho de 2012
Segunda a segunda
Local: Cine Humberto Mauro – Palácio das Artes
Av. Afonso Pena, 1.537 – Centro – Belo Horizonte – piso inferior)
Entrada free (retirada de senhas na bilheteria meia hora antes do início de cada sessão)

Tambor na Praça 2012


Maurício Tizumba
No dia 1° de julho, domingo, acontece na Praça Floriano Peixoto, o Tambor na Praça. A partir das 11h, o público presente poderá conferir atrações como Marina Machado, Maurício Tizumba, Bloco Saúde e Tambor Mineiro. O evento faz parte de programação cultural do Circuito Unimed-BH e tem entrada franca.
O Bloco Saúde é um grupo de percussão formado por cerca de 30 colaboradores voluntários do Instituto Unimed-BH. Eles participam de um curso de percussão, focado no congado mineiro, manifestação cultural do estado. Dentre o vasto repertório do grupo estão canções de Sérgio Pererê, Vander Lee e do próprio Tizumba, que também se apresenta na Praça Floriano Peixoto com seu estilo irreverente e musicalidade à flor da pele. O artista mineiro tem mais de 30 anos de carreira e é conhecido pela preocupação em manter viva a cultura negra e mineira, bandeiras que levanta por meio de suas músicas.
O grupo Tambor Mineiro, criado por Tizumba, é outra atração do Tambor na Praça, levando alegria e ritmo no canto e na dança que remete à forte herança negra de nossa cultura. O repertório envolve cânticos do Congado Mineiro e música popular brasileira, entoados ao ritmo de tambores, gungas e patangomes. Marina Machado também entra na festa do batuque, mostrando seu trabalho carregado de influências de música de raízes afro-brasileiras.
1° de julho de 2012
Domingo às 11h
Entrada free
Local: Praça Floriano Peixoto – Santa Efigênia
Classificação livre

Dia da Rua de Lazer, Fórro , Zouk e Samba


A Universidade da Dança de Salão – Rodrigo Delano (Unidansa) oferece atividades gratuitas na rua João Lúcio Brandão, no Prado. Rua de lazer, espaço de dança e workshops de forró e zouk, iniciativa para a promoção do bairro e da dança de salão. Domingo, 01 de julho, às 09h.
Bailarinos vão dançar no meio da rua, convidando o público para participar da apresentação. Haverá aulões com os monitores da academia, incluindo o coreógrafo e ex-participante da “Dança dos Famosos”, Rodrigo Delano. Para a garotada, escorregadores, cama elástica, pula-pula e pintura facial, sob orientação de monitores, garantindo diversão e segurança.
Dia 01 de julho de 2012
Domingo, às 09h
Local:
 Rua João Lúcio Brandão (entre ruas Erê e Pampas, um quarteirão da Av. Contorno)
Entrada: Franca
Classificação etária: Livre
Inf.: (31) 3292 7976 / 3077 8820

Café com Conhecimento. "Teatro e Política"


“Teatro e Política” é o tema da próxima edição do Café com Conhecimento. Para debatê-lo, o convidado é o dramaturgo e diretor cênico João das Neves. Sábado, 30 de junho, às 11 horas, no Espaço TIM UFMG do Conhecimento. Entrada franca.
João das Neves concebe o teatro como importante foco de resistência político-cultural, colocando em questão, através de imagens, metáforas, alegorias e outros elementos expressivos, aspectos sociais instituídos. Importante, então, refletir sobre o papel do teatro, já que uma nova realidade econômica está conduzindo sua organização para o merchandising.
E o teatro não é mera mercadoria, é uma atitude política e necessária; da relação entre arte e política emergem novas tensões, propostas e sentidos. A respeito do potencial politicamente engajado das artes cênicas, João comenta ainda sobre os modos de condução dos festivais e campanhas de popularização, destacando a necessidade de repensar as prioridades e refletir a respeito do que deve ser feito.
Palestrante
Dramaturgo, diretor, ator e escritor, o carioca João das Neves é um dos fundadores do Grupo Opinião, importante foco de resistência político-cultural contra o regime militar. Sua carreira reflete a preocupação de incitar, por meio do teatro, a reflexão sobre as contradições da sociedade brasileira. Liderou iniciativas de apresentação de espetáculos nos espaços públicos da cidade e atuou junto a grupos de atores amadores da periferia urbana. Trabalha como artista convidado do Departamento de Artes Cênicas da Unicamp.
Dia 30 de junho de 2012
Sábado, às 11h
Local:
 Espaço TIM UFMG do Conhecimento – Praça da Liberdade, s/n. Alameda da Educação
Entrada: Franca
Classificação etária: Livre
Inf.: (31) 3409 8366
Site: www.espacodoconhecimento.org.br

Convocatória Para Projeções Coletivas da II Semana de Fotografias


A 2ª Semana da Fotografia abre convocatória para projeções coletivas que integrarão o evento, marcado para agosto no CentoeQuatro. Inscrições gratuitas para fotógrafos profissionais e amadores, até o dia 15 de julho.
As projeções serão divididas em três temas: Auto-Retrato, ProjeChão e C.O.R.P.O. Fascinante, o auto-retrato apresenta o produtor de imagens da maneira como ele se vê ou se apresenta. Para participar, envie uma única foto, de 1024×768 pixels e 72dpi de resolução, para o email sfbh2012@gmail.com.
Assim como na primeira edição do evento, a Projechão será no chão da garagem do CentoeQuatro. Participe enviando uma sequencia de 8 a 15 fotos, no formato horizontal, com 1024×768 pixels e 72dpi de resolução, para projechao2012@gmail.com. Outra exigência é que as fotos tenham sido feitas do alto para baixo, pois serão projetadas no chão.
A proposta do tema C.O.R.P.O é apresentar o corpo humano em suas variáveis: da fragilidade de uma bailarina ao corpo idealizado dos atletas; do corpo erotizado dos amantes ao corpo metamorfoseado em outras formas pela macrofotografia. Para participar, envie um ensaio com 08 a 15 fotos, de 1024×768 pixels e 72dpi de resolução, para corpobh2012@gmail.com.
Não coloque nome ou marca d’água sobre a imagem, pois a identificação será padronizada para todos os ensaios enviados. Mas, informe nome e título, se houver.
Inscrições gratuitas até 15 de julho de 2012
Mais informações no site semanadafotografiabh.com.br

sexta-feira, 29 de junho de 2012

Rota Gamboa. Feriado em Mim Mesmo


Teatralização do livro homônimo de Santiago Nazarian faz parte da programação do Rota Gamboa

O espetáculo "Feriado de mim mesmo" conta a historia de um jovem solitário em uma grande cidade que, de repente, passa a acreditar que tem mais alguém no seu apartamento. A peça, da companhia Teatro de Extremos, terá duas apresentações, dias 30 de junho e 01 de julho, no Galpão Gamboa, como parte da programação do projeto Rota Gamboa. Os ingressos custam R$10 e moradores da Zona Portuária pagam apenas R$1.

Miguel é um jovem tradutor solitário, morando em uma metrópole qualquer, que percebe certas mudanças em seu cotidiano como se existisse mais alguém vivendo ali. Coisas que mudam de lugar, compras que não foram feitas e roupas molhadas que não são suas mostram que ele pode não estar só. Será uma paranóia causada pela solidão de se viver numa cidade grande ou um alto grau de esquizofrenia, de quem perdeu a si mesmo em função do outro?

"Feriado de mim mesmo", inspirado no livro homônimo de Santiago Nazarian, tem atuação de Leonardo Corajo, Mauricio Lima e Renato Carrera e direção e dramaturgia de Fabiano de Freitas.

A peça fragmenta o texto de Nazarian, para provocar algo além do que contar uma história. "A proposta da encenação é questionar teatralmente os temas sugeridos pelo autor, abrindo caminho para uma reflexão que só se encerra quando inserido o elemento fundamental sem o qual o evento teatral não se dá: o público", explica o diretor.


FICHA TÉCNICA
Concepção, roteiro dramatúrgico e direção: Fabiano de Freitas
Texto original: Santiago Nazarian
Elenco: Leonardo Corajo, Mauricio Lima e Renato Carrera
Direção de arte: Pedro Paulo Souza
Desenho de Luz, Trilha Sonora e Assistência de Dramaturgia: Guilherme Siman
Vídeo-arte: Gustavo Gelmini
Fotografia: Antonio Garcia
Produção executiva: Junior Godim
Designer: Evee Avila e Priscilla Alvez de Moura (Balão de Ensaio)
Realização: Teatro de Extremos

Serviço:
Dias 30 de junho (sábado) às 21h e 01 de julho (domingo) às 20h
Local: Galpão Gamboa
Endereço: Rua da Gamboa, 279 - Centro - RJ
Telefone: (21) 2516-5929
Ingressos: R$10 (inteira) / R$5 (meia) para estudantes, idosos e moradores dos bairros da Zona Portuária apresentando comprovante de residência.
Vendas de Ingressos:
- No Galpão: Terça a quinta: de 14h as 19h (Nos dias de espetáculo a bilheteria funciona das 14h até a abertura da sala ou até esgotarem os ingressos)
- Na Pequena Central (Rua Conde de Irajá, n° 98 - Botafogo): Terça a Quinta: de 10h as 16h
Capacidade do teatro: 80 lugares
Classificação etária: 16 anos
Duração: 70 min


Sobre o Rota Gamboa:
Entre os meses de março e julho, o Galpão Gamboa, dirigido por Marco Nanini e Fernando Libonati, recebe o projeto artístico Rota Gamboa. A programação conta com espetáculos de teatro adulto, infantil e dança apresentados a preços populares. A ideia da curadoria de César Augusto é selecionar espetáculos de companhias de repertório com a finalidade de promover uma visão mais ampla das escolhas artísticas de cada grupo. O Rota Gamboa faz parte do Prêmio PRO-CULTURA de fomento as Artes Cênicas promovido pelo Ministério da Cultura e a FUNARTE. Marco Nanini recebeu o Prêmio Faz Diferença, do Jornal O Globo, na categoria Especial, por seu trabalho como ator e criação do Galpão Gamboa, enquanto o projeto que antecedeu o Rota Gamboa, o Gamboavista, ganhou o Prêmio APTR de Teatro, também na categoria Especial.

130 Anos de Emancipação Política De Carangola



Situado na Zona da Mata de Minas Gerais, na confluência com os Estados de Minas Gerais, Rio de Janeiro e Espírito Santo, o município teve seus primórdios de colonização na primeira metade do Século XIX. A colonização tardia se deve ao fato da região se situar nas chamadas "áreas proibidas" interditadas à penetração, visando coibir o contrabando de ouro no período colonial. A afluência à região se deve à procura de novas lavras auríferas e não sendo encontrado ouro, os colonizadores foram forçados a optar pela agricultura, inicialmente a de subsistência e, pouco mais tarde, para a cultura cafeeira, que se tornou a base econômica de toda a região e fator de seu crescimento.
O Distrito da cidade de Carangola não teve um fundador, pois constituiu-se numa obra de grandes fazendeiros que se estbeleceram nos arredores, algumas décadas antes do início da formação do povoado, na década de 1840. Durante o período citado ocorreu a derrubada de grande parte da mata que cobria o atual perímetro urbano, situado na margem esquerda do rio Carangola. Os primitivos habitantes foram os índios da tribo Purís-Coroados, tangidos do litoral pela civilização e tribos hostís.
O topônimo local, "Carangola", provém do rio do mesmo nome, sendo que a denominação já constava nos mapas da Capitania de Minas Gerais datados de 1780, bem antes da presença do homem branco na região. Quanto ao seu significado existem mais de 10 versões imaginárias, conflitantes, não tendo sido encontrada, até hoje, de onde o cartógrafo obteve a denominação para o rio. Todas as referências existentes não conseguiram convencer os pesquisadores que se dedicam ao assunto.
Existe uma versão que relata a chegada de João Fernandes de Lannes, no ano de 1805, tendo este acampado no local da atual Praça Cel. Maximiano, sem contudo ter alí se fixado. Os primeiros contatos com os selvícolas foram pacíficos, tendo os colonizadores comerciado com estes a troco da extração da poáia, muito comum na região, naquela época, de cujas virtudes medicinais se obtinha bons lucros em Campos dos Goytcazes, Estado do Rio de Janeiro.
Pça. Cel. Maximiano - 1906
O devassamento da região limítrofe ocorreu a partir de 1822 quando Antônio Dutra de Carvalho (Cel. Dutrão) se apossou de 25 sesmarias na região do Caparaó. Em 1826 o Guarda-Mor Manoel Esteves de Lima se apossou de uma área de 800 alqueires na região de Papagaio, tendo fixado sua sede no local onde mais tarde se denominou Córrego dos Freitas.
Em 1833 o Tenente-Coronel José Baptista da Cunha e Castro desbravou a região de Divino. As terras situadas nas margens do rio Carangola, entre Porciúncula e Itaperuna, Estado do Rio de Janeiro, foram desbravadas por José de Lannes Dantas Brandão, incluindo as terras banhadas pelo rio São Mateus.
A área geográfica do município de Carangola pertenceu, sucessivamente, desde o período colonial, aos municípios de Mariana, Pomba, Visconde do Rio Branco, Ubá e Muriaé. Os primeiros proprietários da área onde hoje se encontra o perímetro urbano da cidade foram Francisco Pereira de Souza e Marciano Pereira de Souza.
Na evolução histórica da região, um marco relevante foi a Primeira Eleição para Eleitores Especiais, ocorrida em 02 de novembro de 1856. Em 07 de outubro de 1857 foi benzida a primeira capela do povoado, tendo por orago Nossa Senhora do Rosário, capela esta construída por Francisco de Souza Romano. Em 06 de janeiro de 1859, numa reunião presidida pelo padre Antônio Bento Machado, vigário da Freguesia de Tombos, foi decidida a construção de uma capela, tendo por orago Santa Luzia, destinada a ser a futura Igreja Matriz do lugar. Dentro das exigências da época para a formação do "castrum" da futura Freguesia, incluía-se a doação de uma gleba de terras para a formação do Patrimônio, sendo que a capela tinha de ser construída defronte a um retângulo, para a formação do chamado Largo da Matriz. Coube aos Srs. José Moreira Carneiro, português natural de Funchal, na Ilha da Madeira, e seu sogro Manoel José da Silva Novaes, adquirir de Francisco de Souza Romano a área necessária e efetuar a doação do terreno à Mitra Diocesana de Mariana. Esta doação foi a origem da disposição das ruas do centro da cidade.

Artigos: Folia de Reis. Origens e Características



 
Na antiguidade, muitas festas pagãs comemoravam as divindades celebradas por diversos povos, como os romanos, por exemplo, que cultuavam o Deus-Sol Invencível em festejos que depois foram adotados pelos egípcios. As festas eram realizadas em datas diferentes, como não tinha um dia certo para as comemorações, em 378 o papa Júlio I fixou a data de 25 de dezembro para celebrar o nascimento de Jesus Cristo, ficando o 6 de janeiro como dia de Rei. A partir daí as festas da Natividade pouco a pouco foram sendo acrescidas de elementos diversos, como as figuras de Gaspar, Melchior e Baltasar, os três reis magos que, segundo a lenda, foram do Oriente à Judéia para adorar Jesus Cristo, e que por volta do ano 1600 passaram a fazer parte das comemorações.
No Brasil, a festa foi trazida pelos portugueses que comemoravam e sua terra como divertimento. Entre nós ela adquiriu o espírito religioso que conserva até hoje, sendo desenvolvida com características próprias e transformando-se em manifestação folclórica de rara beleza.
Elementos que compõem a Folia de Reis
O Altar
É o local de maior respeito, o mais sagrado, o mais relevante da folia, onde acontece a alvorada, a despedida, os cartórios, as ladainhas, pagamento de promessas etc.
Bandeira
É o símbolo de um povo e traz em si os seus signos e significados, a bandeira é símbolo maior da folia. E para cada folia existe, apenas, uma bandeira.
A Coroa
Símbolo da realeza, os reis usavam uma coroa de ouro encrustada de pedras preciosas. A coroa de reis foi confeccionada em cobre e encrustada com miçangas e tem o mesmo significado de realeza, de grandiosidade, e fé e esperança em Cristo.
Alferes
É a pessoa responsável para fazer acontecer a folia (Alvorada, Giro e Entrega). Responsável pela bandeira, coroa e instrumentos, bem como pela organização dos pousos e retido da folia; pela entrega da bandeira ao novo pretendente.É o festeiro de reis que leva a devoção, a palavra de Cristo de casa em casa como um peregrino.
Guia da Folia
Pessoa responsável pela alvorada, giro e entrega da folia. É o guia que determina quem deverá fazer as obrigações (rezar, benditos, pedidos de agasalho, benção do cruzeiro, saudação do altar etc.) É uma pessoa de reverência, de respeito, de dignidade que aprendeu a guiar a folia com geração passada e ensina a geração imatura.
Contra guia
É uma pessoa de respeito que ajuda o guia no cumprimento das suas obrigações.
O Regente
Pessoa responsável pela organização dos foliões no giro e pouso da folia, no memento da comida, das ladainhas, das rezas, dos benditos, na chegada e despedida da bandeira. Os foliões que não atendem às suas obrigações são multados pelo regente e pode até ser desligado da companhia.
Procurador
Pessoa de respeito, honesta, correta, responsável pelas oferendas dos devotos. Normalmente, é um folião antigo, de frente de destaque.
Os Violeiros
Pessoa de respeito, responsável pelos cantorios, saudações, rezas e catira. São foliões de frente.
O Caixeiro
Pessoa responsável pela reunião dos foliões. Ao som da caixa os foliões estão sendo chamados para as suas obrigações. É a pessoa que acorda seus companheiros (serve de brincadeira para os foliões).
Alvorada
É o primeiro ato da folia, é por onde se inicia. É o momento em que o guia e seus acompanhantes passam as obrigações para cada pretendente. Desde os Alferes até as cozinheiras. Na alvorada cantam-se todos os componentes da folia. A divindade, os participantes e os instrumentos.
O Palhaço
Usando vestimentas colorida deve proteger o Menino Jesus confundido os soldados de Herodes, sendo o seu jeito alegre e descontraído motivo de distração e divertimento dos assistentes.

IV Olimpíada Nacional em História do Brasil




Estão abertas as inscrições para a
4ª Olimpíada Nacional em História do Brasil


O Museu Exploratório de Ciências – Unicamp convoca estudantes e professores de todo o país a participarem da 4ª Olimpíada Nacional em História do Brasil. As inscrições estão abertas e podem ser realizadas pelo site até dia 10 de agosto.
A Olimpíada Nacional em História do Brasil é uma iniciativa única na área de ciências humanas em todo o Brasil. Em 2011, a Olimpíada contou com mais de 65 mil inscritos, com representantes de todos os estados do território nacional.
Composta por cinco fases online e uma presencial, a competição envolve professores de história e alunos do oitavo e nono anos do Ensino Fundamental e das séries do Ensino Médio em um trabalho coletivo de estudar não apenas o conteúdo das questões propostas, mas de desenvolver um olhar crítico para a história. Dessa forma, é valorizado o processo de aprendizagem e construção do conhecimento. O contato direto com documentos históricos permite aos participantes trabalharem como historiadores, à medida que processam as informações exigidas nas respostas das questões em cada fase.
Este ano, a primeira fase terá início em 20 de agosto e a fase final presencial acontecerá nos dias 20 e 21 de outubro, na Universidade Estadual de Campinas.
O Museu Exploratório de Ciências custeará as passagens de avião de 37 equipes para participarem da final, selecionadas de acordo com sua pontuação nas fases online. Serão selecionadas: para cada estado da federação, a equipe com maior pontuação; a equipe de escola pública com maior pontuação em cada uma das cinco regiões do país (norte, nordeste, sudeste, sul e centro-oeste) e as cinco equipes de escola pública com maior pontuação, independente da região.
Os professores responsáveis por essas equipes serão convidados a permanecer na Unicamp para realizar um curso de capacitação de uma semana, com custos de hospedagem cobertos também pelo Museu, após a final da Olimpíada.
A Olimpíada premiará escolas, alunos e professores, com 60 medalhas de ouro, 100 de prata e 140 de bronze, além de certificados de participação para todos os inscritos e todas as escolas participantes.

Artigos: Os Maiores Conflitos Armados


imagem: El Tres de Mayo – do pintor Francisco Goya (Wikimedia Commons)

Os humanos se envolvem em disputas territoriais desde a Idade da Pedra, é verdade, mas a melhora tecnológica das “máquinas de matar” ao longo do último milênio fez com que os conflitos fizessem muito mais vítimas fatais em menos tempo – inclusive gente que não tinha nada a ver com a briga. Nesta lista, confira as guerras, revoltas e rebeliões que mais dizimaram vidas ao longo da história.
12 – Guerra dos Trinta Anos
Onde: Império Romano (Ásia, Europa e um pedacinho da África)
Quando: de 1618 a 1648
Número estimado de mortos: 3.000.000 a 11.500.000 pessoasEsta versão “de bolso” de uma Guerra Mundial começou como um conflito religioso e foi tomando feições mais complexas até ninguém saber mais por que estava brigando. Muitos dos exércitos tinham mercenários em suas frentes de batalha, que trocavam de lado sempre que a oportunidade parecia interessante.
11 – Guerras Napoleônicas
Onde: Europa e ilhas nos oceanos Pacífico, Atlântico e Índico
Quando: de 1804 a 1815
Número estimado de mortos: 3.500.000 a 6.500.000 pessoasO francês Napoleão Bonaparte estava bombando nas conquistas de territórios na Europa, mas não deu conta de lutar no inverno russo – muitos soldados viraram picolé e outra boa parte morreu de fome. A estratégia russa era queimar as cidades pelas quais o exército invasor iria passar para evitar que fossem saqueadas e fornecessem recursos aos inimigos.
10 – Segunda Guerra do Congo
Onde: República Democrática do Congo, África
Quando: de 1998 a 2003
Número estimado de mortos: 3.800.000 a 5.400.000 pessoasEste é o conflito mais recente da lista. A Guerra acabou em um acordo entre as partes, mas a população sofre com as consequências até hoje. Em 2004cerca de 1.000 pessoas morreram diariamente de desnutrição e doenças que seriam facilmente tratáveis se a região não estivesse tão debilitada.
9 – Guerra Civil Russa
Onde: Rússia
Quando: de 1917 a 1921
Número estimado de mortos: 5.000.000 a 9.000.000 pessoasAinda que se diga que a este conflito acabou em 1921, a verdade é que ele se prolongou por mais dois anos. O objetivo da revolta era acabar com a monarquia, mas os grupos envolvidos divergiam sobre que forma de governo seria implantada com o fim dos czares. Levou a melhor o pessoal do partido bolchevique, que estabeleceu o primeiro governo inspirado no socialismo de Karl Marx.
8 – Revolta Dungan
Onde: China
Quando: de 1862 a 1877
Número estimado de mortos: 8.000.000 a 12.000.000 pessoasOs chineses da etnia Dugan (também chamada de Hui, de origem persa) se revoltaram e foram derrotados – os que sobraram desse conflito foram para territórios que hoje são parte da Rússia, Cazaquistão e Quirguistão.
7 – Investidas de Tamerlão
Onde: Ásia
Quando: de 1369 a 1405
Número estimado de mortos: 15.000.000 a 20.000.000 pessoasNão se conquista um território sem matar umas pessoas, não é mesmo? Tamerlão e seus exércitos dizimaram muita gente na Ásia para expandir o Império Timúrida, que chegou a ter mais de 5,5 milhões de quilômetros quadrados. Saiba mais sobre Tamerlão e outros grandes conquistadores neste infográfico.
6 – Primeira Guerra Mundial
Onde: Todos os continentes – nem todos foram atacados, mas países de todos os continentes tomaram parte (e morreram) nesta guerra.
Quando: de 1914 a 1918
Número estimado de mortos: 15.000.000 a 65.000.000 pessoas
A estimativa mais alta de mortos (65 milhões) contabiliza as pessoas que pereceram da Gripe Espanhola, uma variação do vírus H1N1 (que no século XXI conhecemos como Gripe Suína). A Gripe Espanhola se espalhou generalizadamente pelo mundo no começo do século XX e a epidemia “pegou carona” na 1ª Guerra.
5 – Rebelião Taiping
Onde: China
Quando: de 1815 a 1864
Número estimado de mortos: 20.000.000 a 60.000.000 pessoasEsta “rebelião” foi na verdade uma grande guerra civil no sul da China, liderada por um cristão, Hong Xiuquan, que dizia ser o irmão mais  novo de Jesus Cristo (pois é…).
4 – Disputa entre a dinastia Ming e QingOnde: China
Quando: de 1616 a 1662
Número estimado de mortos: 25.000.000 pessoas
Os Qing vieram do nordeste da Grande Muralha da China e eram vassalos dos governantes da dinastia Ming (aquela dos famosos vasos de porcelana). Houve uma revolta de camponeses que depôs os Ming e criou a Dinastia Shun – só que ela não durou muito tempo: os Qing dominaram a capital Beijing e assumiram o poder dizendo que estavam restabelecendo a “ordem imperial”. Mas na verdade eles estavam era pegando o poder pra eles mesmos.
3 – Investidas MongóisOnde: Ásia e leste europeu
Quando: de 1207 a 1472Número estimado de mortos: 30.000.000 a 60.000.000 pessoasForam 265 anos de invasões empreendidas pelo povo mongol por toda a Ásia e parte da Europa. Haja fôlego para tanta briga! A recompensa: um império de mais de 12 milhões de quilômetros quadrados.
2 – Rebelião de An Lushuan
Onde: China
Quando: de 755 a 763
Número estimado de mortos: 33.000.000 a 36.000.000 pessoasO general An Lushuan, durante a dinastia Tang, resolveu se declarar imperador de uma parte da China, o que não agradou a dinastia que reinava sobre o país. Foram 8 anos de confrontos que continuaram mesmo depois da morte de An Lushuan – e terminaram com a subjugação dos rebeldes e afirmação, mesmo que frágil, da dinastia Tang.
1 – Segunda Guerra MundialOnde: Todos os continentes - nem todos foram atacados, mas países de todos os continentes tomaram parte (e morreram) nesta guerra.
Quando: de 1939 a 1945 – 6 anos
Número estimado de mortos: 40.000.000 a 72.000.000 pessoas
Entre as vítimas deste conflito, 62% eram civis – ou seja: pessoas que não tinham nada a ver com a briga além do fato de estarem lá (e, bem, serem judeus, ciganos, homossexuais, terem uma deficiência…). Além das armas de fogo convencionais, nessa guerra rolou gás mostarda, testes com pessoas em campos de concentração e a última novidade do momento: bombas nucleares.